Na paz de Ubud

04/10/2015
Por Na Brancato

Um país que tem muito para se visitar também costuma ser chato de ser planejado. Quanto mais opção, mais difícil. E eu imaginava a Indonésia assim. Uma semana antes de chegarmos ainda não tínhamos nada decidido. Pedi ajuda para uma amiga que tinha ido recentemente e ela me disse que era em Ubud – Bali onde eu poderia ver os terraços de arroz e sentir um clima mais zen de Bali.

O transfer nos deixou em uma rua perpendicular à rua principal. Mesmo carregando quatro malas sob um Sol do meio dia, o lugar logo me encantou. Várias lojinhas e cafés, alguns templos, flores e oferendas para todos os lados. O lugar me lembrou Embu das Artes. Ao chegar no hotel então, uma piscininha com vista para a plantação de arroz e chazinho disponível na nossa varanda a qualquer hora.

Se estiver procurando objetos para decorar a casa, lá é o lugar
Mercadão de Ubud

Alugar uma moto lá é certeiro. Vá conhecer o famoso terraço de arroz Tegalalang, e pare nas lojas no caminho se tiver espaço na mala para comprar coisas de decoração.

O terraço é lindo!
O terraço é lindo!

Não entramos em nenhum templo. Nosso templo era o hotel, suficiente para nós naquele momento. Também não entramos na floresta dos macacos. Só de passar na frente já dá pra dar umas risadas com os bichos que ficam ali na porta.

Procurei uma aula de yoga e as recomendadas eram longe do hotel e naquele dia estávamos sem moto. Achei uma pertinho e foi a melhor escolha! Por 120 mil rúpias (U$ 8) fiz uma hora de aula em um lugar incrível. Foram 12 alunos, e achei a aula bem puxadinha! Li algumas avaliações que a famosa escola The Yoga Barn chega a ter 40 alunos por aula! O horários é das 9h às 10h.

Yoga time!
Hora da Yoga!

Ao voltar pro hotel, andando ali no meio das plantações me senti a Julia Robertz no Comer, Rezar e Amar. Sim, foi em Ubud a parte “amar” do famoso livro (que depois virou filme). Dane-se se estou sendo clichê e que depois do filme todo mundo vai pra Ubud e blablá, mas foi um momento de paz incrível para mim. Me senti tão bem ali que voltamos na hora do almoço. Alguns restaurantes orgânicos ficam por lá, no meio das plantações. Para mim, foi o lugar mais bonito da Indonésia.

Arrisque entrar nas ruelas
Arrisque entrar nas ruelas

Ubud é isso. O centrinho te encanta, e quando você está se cansando do transitinho da rua principal, das milhares de lojas, você descobre uma rua que te leva a uma das mais belas paisagens e calmaria que Bali poderia te oferecer.

Ficamos três dias e por mim ficaria mais. Vá sem pressa e não se limite aos pontos turísticos. Mas se quiser fazer algum, escolha a apresentação de dança que acontece todas as noites no templo Para Saraswati, no centrinho mesmo. Fomos sem nenhuma expectativa achando que veríamos a mesma coisa que no Sri Lanka, mas o que vimos foi uma demonstração de como os olhos podem se expressar mais do que muitos gestos. Você pode assistir a a apresentação do café Lotus que fica ali atrás, mas aí perderá os detalhes dos olhares, que é o que mais vale a pena.

Concentre-se nos olhares. É muito expressivo!
Concentre-se nos olhares. É muito expressivo!

Fique em um hotel mais para dentro das plantações. Ficamos no Dewa House Bisma, super simples, mas bem localizado e de uma calmaria só!

Uma dica de restaurante é o Biah Biah. Fica em uma ruazinha que cruza a principal. Eles servem pequenas porções, dá para experimentar todas as comidas típicas por um ótimo preço!

Viemos a partir de Gili Trawagan. O próprio ferry boat fornece o transfer para Ubud, por um custo a mais de 50 mil rúpias (U$ 4).

Na paz de Ubud
Na paz de Ubud

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *