O outono de Mestia, Geórgia

15/01/2016

Por Na Brancato

Nunca achei muita graça no outono, uma estação sem personalidade pensava eu. Até descobrir a cidade de Mestia, no norte da Geórgia. Não só a cidade, mas o caminho que nos leva até lá. Por 3 horas me questionei quantas cores podia ter o outono, imagens que eu pensei que eram apenas pintadas por artistas inspirados. Inspirada é a natureza daquele lugar. Um rio de um azul turquesa completava o quadro. Montanhas e montanhas e nós seguindo caminho para o alto delas, mas especificamente na vila mais importante da região de Svaneti, Mestia.

Vejam só, 3 mil habitantes que se dizem ser um dos povos mais antigos do Mundo. Se orgulham de ter preservado seu dialeto e cultura até mesmo na época em que a União Soviética dominava canta cantinho daquela parte do Mundo. Mas lá não. As enormes torres que parecem chaminés podem ser vistas em quase todos os vilarejos da região, e o que no passado serviram de armazém, em tempos de guerras abrigavam famílias e possibilitavam uma visão panorâmica e assim uma antecipação de possíveis ataques. Isso se alguém conseguisse chegar até lá.

Apesar das curvas e das pedras que rolam montanha abaixo e param no meio da pequena estrada, chegar foi até que fácil, mesmo após 3 horas para 150km e diversas paradas para fotos. Mas voltamos após uma noite inteira nevando, e a estrada quase inabitada fica perigosa. Passando Mestia dizem que há outros vilarejos tão lindos quanto, mas para chegar lá só de jipe.

Uma das estradas mais bonitas que passamos!
Quantas cores tem o outono?
Como não parar de 5 em 5 minutos?
Como não parar de 5 em 5 minutos?

O vilarejo encanta, principalmente se chegar em um fim de tarde ensolarado. Mas não espere muito, ou melhor, não espere nada. Há dois ou três pequenos restaurantes e as atividades diurnas se limitam a uma caminhada para se chegar a um glacial, a visita a uma das torres que funciona como museu ou o moderno museu da região. Há também um teleférico e dizem que no inverno funciona uma nova estação de esqui ali, o que tem atraído mais turistas para a região. E é isso que tem lá. Prepare-se para voltar à época medieval, principalmente se você ficar hospedado nas ruas de cima da cidade, onde ainda são de paralelepípedo e vacas passeiam pelas ladeiras no meio das casas, que são de pedras.

 

Fim de tarde no vilarejo
Fim de tarde no vilarejo

Como ficamos dois dias e apesar de Mestia ter nos recebido com um fim de tarde lindo e ensolarado, o tempo que ficamos lá nevou muito e não pudemos fazer muita coisa. Mesmo assim, ver aquela paisagem toda branquinha valeu muito a pena!

Centrinho de Mestia
Centrinho de Mestia

 

Mestia é a "capital" de Svaneti
Mestia é a “capital” de Svaneti
Mestia parece que parou no tempo
Mestia parece que parou no tempo

Para chegar à região, a viagem é longa e fizemos com um carro alugado, não sabemos as outras possibilidades de transporte público. A partir de Tbilisi são cerca de 9 horas, e não recomendamos fazer em um dia. O ideal é parar para dormir Kutaisi, cerca de 4 horas da capital. Essa cidade é a segunda maior da Georgia, mas sinceramente não encontramos nada para fazer. Lá nos hospedamos no Old House Hotel, um lugar novinho e muito agradável, com clima de montanha, pertinho do centro. Ele fica nas ruas de pedras, e o dono tem uma casa ali do lado. Pudemos tomar café da manhã todos os dias na casa de sua avó, o que fez nos sentirmos na década de 50. Foi incrível!

No caminho
No caminho
Todos os vilarejos de Svaneti tem as torres
Todos os vilarejos de Svaneti tem as torres

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *