O que aprendi visitando o Oriente Médio

20/05/2016

Por Na Brancato
Não, não aprendi a usar uma burca ou a fazer uma bomba. Tampouco me converti ao islamismo, mas continuo respeitando a fé e religiões distintas da minha. Não podemos colocar dez países e todas as pessoas que ali vivem numa mesma panela e acusá-los de terroristas. Não é assim que as coisas funcionam não!

Nem por um segundo me senti ameaçada ou tive medo. Não fui criminalizada por não cobrir os cabelos, mas é fato que recebi olhares, muitos olhares. Mas vem cá, se tiver um gringo loirinho, de regata, marca de sol, shorts acima do joelho e requebrado estranho ali no ensaio da escola de samba, não vai ficar olhando? Pois bem. É impossível passarmos despercebidos. E isso não significa termos sofrido preconceito. Há a curiosidade, assim como a nossa.

Egito
No Egito, na praia, e sem burca!

A curiosidade de saber como é lá não nos fez perder a noção do perigo. Não chegamos a conhecer a Síria, por exemplo, porque os conflitos são reais. Não que os outros países não tenham conflitos, mas estão muito mais no campo político do que nos campos de batalhas. Alguns países nem sequer tem um conflito atual, como o Líbano por exemplo. A guerra civil acabou em 1990 e a guerra contra Israel aconteceu em 2006. Isso significa que há 10 anos o país voltou à rotina normal. Casos separados de violência existem é claro, mas são tão imprevisíveis quanto você ser acertado por uma bala perdida. Faz parte da rotina conviver com o inesperado, com a violência. Isso está nos nossos noticiários também, não está?

Israel
Israel é um dos países mais seguros do Mundo

A culinária árabe já nos é bem familiar, mas, agora sim, nos sentimos refém dos sabores. Tudo, absolutamente tudo é delicioso. Seguimos procurando alguns pratos por aqui, mas a saudade das arábias só aumenta.

A música é essencial, e vindos de um país de sambas e batucadas, os tambores nos fizeram felizes. É música alta o tempo todo. São garotos se abraçando e dançando. Aliás, vejam só, os países árabes, aqueles que de longe nos parecem tão conservadores, nos mostrou que homens podem sim demonstrar carinho por aqueles que se gostam, seja um amigo, um primo, um colega de trabalho.

Israel praias
Você imaginava Israel assim?

Há misturas de religiões, e sim, respeito. Ande pela cidade velha de Jerusalém e entenderá. Explicamos a quaresma e respeitamos o Ramadã. Não julgamos e nem fomos julgados. Foi lindo conversar com uma família super tradicional em um passeio de barco pelo Mar Vermelho. Eu de biquini, ela de burca. E fizeram questão de apresentar seus pequenos, de que eles se aproximassem e fossem simpáticos. Conversamos sobre as belezas do Mundo, porque apesar dos pesares, enxergamos as mesmas coisas.

Mesquita
Respeitar e aprender
Mar vermelho
Pra você pensa que o Oriente é só deserto..

Fizemos amigos, trocamos costumes. Fizemos curiosos se aproximarem e tentamos chegar ao máximo perto do que nos foi permitido. Mas sentimos que não foi o suficiente. Ainda nos falta conhecer alguns países. Em breve. Voltaria mil vezes, viveria mais mil e uma noites.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *